14 de dezembro de 2020

Reparo ou troca de para-brisa, qual a melhor opção?

Em geral pode acontecer quando estamos dirigindo, seja nas cidades ou rodovias, ouvimos um barulho, olhamos com atenção o para-brisa e advinha, existe uma trinca. Nesse momento sempre vem a dúvida de qual decisão tomar, trocar ou reparar. Saiba quais as ações imediatas a serem tomadas e qual a opção correta para cada caso.

Independente da denominação que derem para a trinca amenizando a situação, com certeza, já deve ter ouvido algumas dessas variações como; olho de boi, estrela, asa de abelha, folha de trevo, aranha etc. O fato é que quando acontece em nosso veículo o bom humor desaparece instantaneamente.

Apesar de não ser uma regra, normalmente a trinca no parabrisa ocorre quando estamos dirigindo próximo aos caminhões, basta ter algumas pedrinhas no asfalto e pronto, ela vem direto no parabrisa e a trinca está feita. Mas calma, existem alguns procedimentos que devem ser feitos de imediato, e que podem salvar o vidro e o bolso.

O importante após o impacto é; assim que estiver em local seguro, parar o veículo e colocar um adesivo que é distribuído gratuitamente pelas seguradores. O adesivo também pode ser substituído por uma fita adesiva colocada em cima da trinca, por fora do parabrisa, esse procedimento evita que a área lesionada se amplie e inviabilize o reparo futuro, isto porque quanto mais ar, poeira ou sujeira penetrar, maior ficará a trinca.

O reparo é muito rápido, basicamente as ferramentas utilizadas são lixa, ferramenta de sucção do ar, termômetro, luz ultravioleta e resina. O tempo de reparo também é mínimo não ultrapassando 30 minutos.

A economia com o reparo pode chegar até 70% do preço da troca do parabrisa. Porém em alguns casos não há possibilidade de manter o vidro original, independente do caso, o ideal é buscar a assistência de um técnico de confiança que lhe auxiliará a tomar a melhor decisão, visto que envolve a sua segurança e de seus familiares.

– Trincas de até 10 centímetros de diâmetro podem ser reparadas (porém existem algumas soluções para trincas maiores) desde que;

– Esteja a mais de 5 centímetros da borda do parabrisa, como na imagem abaixo;

– Estiver fora da linha de visão do motorista, isto é a 30 centímetros de largura a partir do meio do volante;

– Não sejam numerosas, pois um número muito grande de lesões fará com que fique mais frágil.

Nós o aconselhamos a fazer o reparo o mais rapidamente possível, assim poderá evitar maiores transtorno como levar uma multa, perder cinco pontos na carteira de habilitação e ainda ver seu veículo apreendido pelo Detran. Se puder evite dirigir próximo aos caminhões, quando houver chuva de granizo, não faça torções do veículo, isto é, passar com somente uma roda no quebra-molas.

Outras situações que também provocam trincas em para-brisas, só que em menor quantidade são; o choque térmico e a má conservação da palhetas dos limpadores, que devem ser trocadas uma vez ao ano, por último, jamais as acione quando estiverem secas, já que irão riscar os vidros e fragiliza-los.